Conhecer o Concelho de Olhão - Portal de Turismo do Algarve

Para visualizar correctamente este conteúdo "clique" no botão em baixo e faça download do último plug-in do Flash Player.

Obrigado.

Conhecer o Concelho de Olhão

Conhecer o Concelho de Olhão

Fuseta
Terra de pescadores, ainda conserva muitas das suas casas de forma cúbica, rematadas por terraços - as açoteias - de onde despontam as curiosas chaminés de balão, características desta área do Algarve.


A Igreja Matriz
guarda algumas boas imagens do séc. XVIII. O seu adro é um miradouro sobre a vila, com vastos horizontes da ria e do mar.
O porto de pesca e o estaleiro, coloridos pelos barcos e pela azáfama diária, são uma visita obrigatória. O passeio pode prosseguir até aos rectângulos espelhados das salinas, às ruínas das atalaias da Torre de Bias, Cumeada e Alfanxia, paralelas à Ria Formosa e ao mar, e às nascentes de água dos Olheiros, às quais se atribuem virtudes medicinais.

Quelfes
O verde das figueiras e das vinhas envolve a povoação que, nas ruas em torno da igreja, ainda conserva casas de paredes brancas e chaminés rendilhadas.

Igreja Matriz
A igreja paroquial de Quelfes foi construída sobre a primitiva capela, sendo nítida a influência gótica na porta lateral. O portal principal, renascentista (séc. XVI), é muito singelo.
O seu interior amplo apresenta três naves. Na capela-mor, um arco do período de transição do manuelino para o Renascimento, decorado com cachos de uvas e parras e com uma abóbada nervurada com florões (séc. XVI). As imagens remontam ao séc. XVIII.
Nas proximidades, uma ponte de origem romana, reconstruída por diversas vezes, assiste em 1808 à derrota das tropas napoleónicas, sendo o ponto de partida para a sublevação de todo o Algarve contra a presença francesa.

Moncarapacho
Típica povoação do Barrocal algarvio. Por entre colinas suaves, vicejam hortas e pomares onde figueiras, amendoeiras e romãzeiras marcam presença. Ruas características, com algumas casas representativas da arquitectura burguesa do séc. XIX e início do séc. XX.

Igreja Matriz
Os elementos romano-góticos nos cunhais da retaguarda e as nervuras de algumas abóbadas indicam a origem medieval. O seu portal principal é considerado como uma das mais belas obras de arte renascentista (séc. XVI) do Algarve.
Portal principal dominado pelo grupo escultórico da Anunciação e as imagens dos apóstolos São Pedro e São Paulo. No interior, merecem uma referência especial as pinturas das capelas das Almas, do Calvário e de Santo António, assim como o núcleo de imagens dos sécs. XVII e XVIII, com destaque para a Nossa Senhora do Rosário e o Senhor da Paciência.

Igreja da Misericórdia
Com reduzido interesse arquitectónico, tem no retábulo do altar-mor seis telas de pintura maneirista (finais do séc. XVI) representando cenas da vida de Cristo.

Capela do Espírito Santo
Local de grandes peregrinações provenientes de todo o Algarve nos sécs. XVII e XVIII, guarda desse período um valioso património. Construção barroca do séc. XVIII de grande simplicidade.
Interior revestido de azulejos policromos do tipo tapete (séc. XVII). Telas do mesmo século representam cenas da Natividade e um coração de Jesus. Altar em talha dourada, com imagens do séc. XVIII. Valiosa grade em pau-santo (séc. XVII).

Museu Paroquial
Anexo à Capela do Espírito Santo, integra, além de um conjunto de interessantes peças de arqueologia e etnografia local, uma valiosa colecção de imaginária religiosa dos sécs. XVI a XVIII.
É, porém, o presépio napolitano do séc. XVIII a principal atracção do museu.
Composto por um total de 45 peças, representa a adoração do Menino Jesus. As figuras, com cabeça em terracota e pernas e braços em madeira, estão vestidas com sumptuosos trajos da época, com laivos de prata e de ouro.
Fora da aldeia existem diversas ermidas - Pé da Cruz, São Francisco, Nossa Senhora do Carmo e outras - representativas da arquitectura rural que, em alguns casos, são bons miradouros da paisagem circundante. A Ermida de São Miguel, a cerca de 5 quilómetros da povoação e situada no cerro com o mesmo nome (411 metros) é, sem dúvida, a que proporciona um dos mais belos panoramas do Algarve, abrangendo o litoral e as colinas que fecham o horizonte.
Um outro miradouro natural dos arredores de Moncarapacho é o Cerro da Cabeça.
Além de panoramas que abrangem um vasto arco do litoral, tem a curiosidade de ser perfurado por numerosas grutas, apenas acessíveis a espeleólogos.

O Prazer do Sol e do Mar

Fuseta
A beleza do seu areal estende-se por largos quilómetros. Estrutura de apoio para vela e motonáutica. Ligações regulares por barco a partir da vila de Fuseta, apenas no período estival.

Armona
Pequeno povoado de pescadores. Extenso areal, convida ao isolamento e à tranquilidade. Ligações regulares por barco a partir de Olhão.

Os Desportos Náuticos
Os praticantes de vela, windsurf, canoagem e motonáutica têm na vasta bacia hidrográfica da ria Formosa as condições ideais para os seus desportos. As águas límpidas, com visibilidade até 15 metros, e a abundância de peixe atraem os praticantes de mergulho à praia da Culatra. Os dois canais de acesso à Ria permitem, por outro lado, que os iates encontrem abrigo nos seus diversos ancoradouros.
O litoral de Olhão é, por esse motivo, um dos centros de desportos náuticos do Algarve.

Tradições Artesanais
Ainda se produzem em Olhão os coloridos sapatos de ourelo, sapatos de pano antigamente usados por pescadores e camponeses. Azulejos, peças decorativas em madeira e também malas, cintos e outros artigos em couro são produções artesanais de Olhão, às quais se juntam os ferros forjados de Moncarapacho.

Cozinha de Pescadores
A gastronomia de Olhão e do litoral sabe a mar. E saboreia-se no peixe fresco grelhado, no marisco variado e também nas suculentas amêijoas que dão sabor à bem algarvia cataplana.
As receitas dos pescadores, de fácil preparação, merecem também a atenção de quem gosta de boa comida. A lista é longa, e inclui desde o safio guisado aos chocos com favas, da pescada e do cherne cozidos às lulas abafadas, do berbigão guisado e arroz de lingueirão ao xarém com conquilhas. Para o interior, a cozinha fala de campo, de agricultura: feijão com arroz e castanhas, grão com massa e ervilhas com ovos, preparadas com toucinho, chouriço e carne de porco.
Os doces são uma tentação: bolachas bêbedas (com aguardente a integrar a sua confecção), figos cheios, bolo de figo, empanadilhas e bolo de laranja e amêndoa são saborosas maneiras de acabar uma refeição.

Actualizado em: 16-11-2017

Visitante: 44073741

  • Turismo de Portugal